Advogados associados: como escolher os melhores parceiros?

  • 09/out/2018

Advogados associados: como escolher os melhores parceiros?

Encontrar bons parceiros e criar um escritório de advogados associados é uma das principais estratégias para se destacar e enfrentar a forte concorrência do mercado jurídico. Não à toa, a busca por sócios é uma atividade cada vez mais frequente no meio.

Entretanto, é preciso tomar cuidado para que a necessidade de conjugar forças não se transforme em uma busca desesperada por apoio. É fundamental que os profissionais estudem a questão com bastante cautela e utilizem critérios objetivos em suas escolhas.

Por isso, a seguir, você encontrará uma lista com os principais itens para tomar uma decisão consciente. Leia o conteúdo com bastante atenção e encontre os melhores parceiros para o seu escritório!

Ir além da questão financeira

Geralmente, os negócios em que um sócio ingressa apenas com dinheiro geram graves fraquezas no aspecto relacional. Isso ocorre porque a carga de trabalho recairá quase integralmente sobre uma das partes, e o capital investido, com o passar do tempo, se esgotará.

Na verdade, o segredo é encontrar pessoas com conhecimento, experiência e contatos. Por meio desses ativos, é possível encontrar formas de viabilizar o escritório, com um potencial de crescimento muito maior, em virtude da soma de esforços.

No entanto, nada impede que o aporte seja considerado no momento da decisão. A questão, como dito, é que esse não deve ser o único fator ou o mais decisivo, apenas um diferencial diante de profissionais igualmente competentes.

Buscar competências complementares

O escritório de advogados associados é multidisciplinar. Ao lado das competências jurídicas, há uma série de outros atributos determinantes para o sucesso do negócio, como liderança, gestão, controle financeiro, treinamento de equipes etc.

Com efeito, outro ponto importante é buscar parceiros que supram as lacunas de conhecimento e experiência. Isso vale tanto para as especializações técnicas quanto para as habilidades comportamentais e de atitude.

No aspecto jurídico, o segredo é pensar o serviço a partir das necessidades do cliente. Por exemplo, se um advogado é especialista em Direito Empresarial, pode ser interessante conjugar esforços com um bom tributarista, diversificando o valor entregue aos contratantes.

Conhecer profissionais de fora do Direito

Uma forma mais específica de buscar competências complementares é procurar alguém de fora do Direito. No dia a dia, é comum que os advogados contêm com outras especialidades, como Ciências Contábeis, Administração, Economia, Mediação, Arbitragem, Compliance e Docência.

Com efeito, a escolha de um outsider pode suprir lacunas importantes para o sucesso do negócio ou criar possibilidades de serviço. Basta pensar na importância de aspectos como gestão, finanças, métodos alternativos de solução de conflitos e marketing.

Identificar profissionais nos concorrentes

Os concorrentes podem ser uma ótima fonte de parceiros, porque os candidatos podem ser avaliados conforme seus históricos de atuação e desempenho recente. Assim, é possível ir além do currículo e constatar a entrega de valor, na prática.

Além disso, é comum que, sem oportunidades em um escritório, as pessoas busquem posições em outras organizações. Afinal, as vagas para ser sócio de um são limitadas e, em diversos casos, bons profissionais acabam excluídos.

Sendo assim, há uma excelente via para ofertas de um plano de carreira mais interessante, por exemplo, substituindo-se a condição de contratado pela de associado de um escritório.

Desenvolver um bom networking

Ao cultivar relações profissionais, o advogado facilita o trabalho de encontrar pessoas competentes e confiáveis. Sem contar que, com a eficiência do networking, a tendência é não se prender a uma única opção, mas conhecer um número significativo de candidatos.

Por outro lado, os contatos também podem servir para colher recomendações sobre os potenciais parceiros. Em muitos casos, a informação de uma pessoa de confiança pode ser mais importante do que os dados do currículo, a fim de aprofundar o conhecimento sobre um profissional.

Então, aproveite as oportunidades como cursos de pós-graduação, palestras, audiências, confraternizações e outros locais para entregar cartões de visita e estabelecer novas conexões.

Usar a tecnologia a seu favor

O advogado pode contar com diversos aplicativos e páginas de internet para facilitar sua busca por um parceiro de negócios. As soluções digitais permitem a coleta de informações relevantes e a ampliação do alcance das buscas.

Um caso ilustrativo é o LinkedIn. Atualmente, criar um perfil nessa rede social se tornou praticamente obrigatório. Não à toa, há uma ampla lista de informações sobre pessoas, seus respectivos históricos, lista de habilidades e conexões com outros profissionais.

Uma segunda plataforma importante é o Jusbrasil. Recentemente, o site migrou seu modelo de negócio, passando de um buscador de jurisprudências para uma verdadeira rede social de juristas. Assim, os advogados podem divulgar seu trabalho e firmar conexões para criar um networking.

Por fim, vale ressaltar as plataformas de correspondentes jurídicos e as páginas de divulgação profissional. Nelas, o interessado pode buscar contatos para firmar parcerias, bem como anunciar oportunidades de trabalho.

Realizar uma análise de mercado

A escolha deve considerar também as condições de mercado, porque nem todas as formas de conhecimento e experiência se transformam em serviços valiosos para os clientes. Na verdade, o simples contexto pode alterar o perfil ideal. Por exemplo, se o escritório encontra forte demanda na área trabalhista, a contratação de um criminalista não será tão útil.

Uma ferramenta para identificar critérios relevantes é a análise SWOT. Trata-se de considerar 4 aspetos fundamentais do negócio:

  • Quais são as forças do negócio?
  • Quais são as fraquezas do negócio?
  • Quais são as ameaças presentes no mercado?
  • Quais são as oportunidades presentes no mercado?

Note que as duas primeiras questões auxiliam a identificação das habilidades complementares, porque se referem as características internas. Já as duas últimas consistem na avaliação de mercado propriamente dita, logo, ao entorno do escritório.

Resumidamente, o parceiro precisa ser alguém que melhore as fraquezas e potencialize as forças, bem como que auxilie no enfrentamento das ameaças e no aproveitamento das oportunidades.

Assim, você certamente encontrará o profissional ideal para formar um escritório de advogados associados e ficará mais preparado para vencer a difícil concorrência do mercado jurídico.

Gostou do post? Então, assine nossa newsletter para receber conteúdos ricos por e-mail e ter ainda mais sucesso na carreira de advogado!




New Call-to-action


Guia Prático: baixe grátis

Nossos Apps

Nossas Redes Sociais