6 dicas práticas para manter um bom relacionamento com o judiciário - Blog - CEJUR - Centro de Estudos Jurídicos da Faculdade Unyleya

6 dicas práticas para manter um bom relacionamento com o judiciário

  • 19/jun/2018

6 dicas práticas para manter um bom relacionamento com o judiciário

Para um advogado, é extremamente importante manter um bom relacionamento com o judiciário, pois ele é composto por profissionais que tomam conta de prazos em seu processo, tiram suas dúvidas, dão andamento etc.

Isto não se resume só a juízes, mas aplica-se especialmente aos cartorários, que geralmente são quem fazem o atendimento ao público e praticam todos os atos do processo que não são despachos e sentenças.

Para ajudar você a desenvolver uma ótima relação com os servidores do judiciário, preparamos algumas dicas. Continue a leitura e confira!

1. Seja cordial e respeitoso

Essa dica pode parecer óbvia, mas ela é a base da boa convivência com qualquer pessoa. Além disso, para quem tem uma rotina estressante, é fácil às vezes ignorar a cordialidade.

Mesmo que você esteja muito irritado e desconfie que algum erro foi cometido, não grite ou se exalte. Seu foco deve ser expor a situação para que possa ser esclarecida ou corrigida.

Também não seja arrogante ou tente explicar para um funcionário como ele deve fazer seu trabalho. Lembre-se de que ninguém terá tanta boa vontade para resolver seus problemas se você for desrespeitoso e faltar com profissionalismo.

2. Tenha empatia

É fato sabido por toda a população brasileira que o judiciário é extremamente sobrecarregado. Você mesmo já deve ter visto colegas ingressando com ações infrutíferas e banais, o que ajuda a tornar o julgamento dos processos relevantes mais lentos.

Por isso, para manter um bom relacionamento com juízes e cartorários, é fundamental que você não faça exigências ou cobranças, nem queira ter seu processo passado na frente dos outros, pois há uma ordem cronológica de trabalho.

Caso você suspeite que um processo está sem andamento por parte do cartório ou do juiz por um tempo anormal, pergunte educadamente. Você saberá se está dentro do esperado, ou se algum erro ocorreu.

Se você tem real urgência para algo — por exemplo, seu cliente pagou uma dívida mas ainda há bloqueio de valores em sua conta —, informe-se junto ao cartório para saber o que deve ser feito. Dentro das Normas da Corregedoria Geral de Justiça, cada cartório atua de maneira ligeiramente diferente em uma mesma situação.

Sempre agradeça o bom atendimento prestado; embora essa seja a função do servidor, nem todos trabalham com tanto empenho, por isso, é importante reconhecer uma atuação particularmente competente, e encorajar os bons funcionários a continuarem a ser atenciosos.

3. Seja claro

Saiba explicar suas dúvidas e problemas de maneira clara e sucinta. Sempre tenha em mãos o número do processo a que elas se referem, e dirija-se à Vara certa. Fale educadamente, mas com firmeza e convicção.

A objetividade é uma habilidade positiva e valiosa para qualquer profissional que precisa comunicar-se como parte básica de seu trabalho. Ela não deve ser confundida com grosseria ou arrogância por aqueles que fazem uso dela.

Fale com clareza e confiança nas próprias palavras. Jamais use frases como “você poderia se esforçar um pouco mais”, ou faça ameaças, como “vou reclamar para o Corregedor”.

Se o problema for longo e complexo, considere peticionar, em vez de telefonar ou comparecer no Fórum, para que nenhum detalhe se perca na hora de resolvê-lo.

4. Aposte na transparência

A transparência é muito importante para sua carreira, e isso não se resume somente às interações diretas com os servidores judiciários, mas também às suas petições. Se você aparenta mentir ou exagerar demais no peticionamento, os servidores eventualmente guardarão seu nome, atribuindo uma imagem negativa a ele.

Da mesma forma, se você comparece ao fórum e tenta dar explicações de maneira estranha e pouco convincente, os cartorários e juízes olharão você com desconfiança e descrédito.

Se você cometeu algum erro, é melhor explicar a situação e perguntar o que pode ser feito. Vamos a um exemplo prático.

Imagine que você é uma sociedade individual de advocacia. Você perdeu um prazo porque foi acometido por uma doença grave, ou sofreu um acidente, e ficou no hospital. Nesse caso, basta comprovar com documentos médicos, para solicitar devolução do prazo por justa causa.

Agora imagine que você perdeu o prazo porque foi viajar, seja a lazer ou não. Você poderia ser substabelecido a um colega, protocolado a petição em outra comarca, ou, no caso de processos digitais, somente ter reservado um tempo para esse trabalho.

Nesse caso, é melhor ser transparente, reconhecer seu erro e deixar o processo seguir adiante. Embargar decisões ou dar justificativas sem comprovação ou embasamento só prejudica o trabalho de todos.

5. Use o tratamento correto para o cargo

A hierarquia de uma Vara Judicial geralmente é composta por estagiários, escreventes técnicos, dois juízes (titular e substituto) e o escrivão. Hoje em dia, é possível que a maioria dos servidores em cargos mais altos não se importem muito com formalidades e pronomes de tratamento, mas utilizá-los demonstra respeito.

O pronome de tratamento correto é importante particularmente para juízes. Por isso, para ter um bom relacionamento com eles, é sempre uma boa ideia apostar em uma formalidade maior.

Quando estiver acompanhado do cliente, instrua-o sobre como se portar na presença de cartorários e magistrados, para que vocês dois passem uma boa imagem. Não deixar seu cliente causar problemas ou desconfortos é uma forma importante de manter um bom relacionamento com o judiciário.

6. Saiba os limites

Provavelmente, após alguns anos atuando junto ao mesmo fórum, e interagindo com frequência com os mesmos servidores, vocês desenvolverão uma relação amigável. Quanto a isso, não há nenhum problema.

No entanto, é preciso ter cuidado para não se tornar um amigo pessoal de juízes pois, caso contrário, ele pode ter que declarar suspeição, e declinar casos em que você esteja envolvido, para que não haja suspeita de favorecimento devido à relação particular entre juiz e advogado.

Estas são formas de demonstrar seu apreço pelo bom trabalho prestado pelos servidores.

Se você gostou deste post sobre como ter um bom relacionamento com o judiciário, que tal assinar nossa newsletter? Você receberá mais conteúdos como este em primeira mão!




New Call-to-action


Conhecer os cursos
Guia Prático: baixe grátis